Em 1961, a partir de um Culto do Evangelho no Lar, um pequeno grupo de irmãos dava origem ao nosso querido Posto Científico de Caridade Bezerra de Menezes e Tibiriçá. Isso aconteceu inicialmente, em casa da Sra. Rita, localizada à Rua Leopoldina Rego, 711 fundos, em frente ao IAPI da Penha. O responsável pelos trabalhos era o Sr. Manoel Ferreira Lima, sendo o mentor do trabalho de passes, o amorável espírito “Bezerra de Menezes”, e dos trabalhos espirituais, o espírito “Pena Branca”, então guia espiritual do Sr. Manoel Ferreira Lima. Com o crescimento, o grupo mudou-se, ainda em 1961, para um porão localizado à Rua Dr. Nunes, esquina com Leopoldina Rego, onde o responsável pelo “centro” passou a contar com o auxílio do Sr. Jeremias Fernandes Mano. Nessa época o “centro”, ainda sem nome, encontrava-se em dificuldades, pois não possuía um quadro de sócios que possibilitasse o pagamento do aluguel, o qual era feito através da colaboração de seus frequentadores.

Nesse meio tempo, o locador, ao notar o crescimento da Casa, aumentou o aluguel do imóvel. Sr. Manoel Ferreira concordou com o aumento desde que passassem a ocupar a parte de cima do imóvel, que era formado por dois quartos grandes. O locador aceitou e permitiu a demolição da parede que dividia os quartos, transformando-os em um amplo salão.

No ano de 1966 desencarnou o responsável pelo centro, o Sr. Manoel Ferreira Lima, assumindo a direção dos trabalhos o Sr. Jeremias Fernandes Mano.

No dia do enterro do dirigente Manoel Ferreira, o irmão Jeremias encomendou uma coroa oferecida pelos frequentadores da Casa. Após o pagamento, o Sr. Jeremias já ia se retirando da floricultura quando o atendente perguntou-lhe qual o nome que seria colocado na fita da coroa. Respondeu o irmão Jeremias:

“— No momento, senti que um irmão espiritual tomou a minha mão e escreveu: Homenagem dos amigos e frequentadores do Posto Científico de Caridade Bezerra de Menezes e Tibiriçá”.

Estava criado, assim, o nome dessa Casa tão querida.

Em 1967 o Posto mudou-se para a Rua Uranos, 1563, esquina com a Rua Gomensoro.

Com o crescimento, surgiram novos colaboradores, como no ano de 1968, quando chegou à Casa o Sr. Hélio Ventura que, em pouco tempo, transformou-se em um grande trabalhador, passando a cuidar das “coisas materiais”, enquanto o irmão Jeremias continuou tratando dos assuntos espirituais, e com a graça de Deus, venceram a 1ª etapa da grande luta desta Casa. Entretanto, era necessário uma sede própria, para que não se pagasse mais aluguel.

Em janeiro de 1969 a participação do irmão Hélio Ventura tornou-se ainda mais intensa, dedicando-se ativamente na realização de várias campanhas como, por exemplo, a venda de

jornais velhos e objetos usados, para ajudar no pagamento da conta de luz, e mais chás e almoços, tudo com o objetivo de adquirir a sede própria, saindo, assim, do aluguel.

Em janeiro de 1970, o irmão Hélio Ventura começou a procurar um local para instalar a sede própria, de preferência um local central, de fácil acesso a todos os trabalhadores e frequentadores. Em maio do mesmo ano um bom terreno é encontrado, com uma casa em ruínas, situado à Rua Patagônia, 85 – Penha. Com a aprovação de todos, em 24 de junho do mesmo ano, ocorre a concretização do “sonho” desses companheiros: a compra da Sede própria.Foi dado o sinal Cr$5.000,00 (cinco mil cruzeiros) e, em 16 de dezembro, assinado o contrato de Compra e Venda onde ficou acertado como seria feito o restante do pagamento. O valor total foi de Cr$37.000,00 (trinta e sete mil cruzeiros), sendo Cr$20.000,00 a entrada e os Cr$17.000,00 restantes pagos em 19 prestações, a partir de novembro de 1970. Entretanto a quitação ocorreu, antecipadamente, em dezembro de 1971, com a Graça de Deus e com muita ajuda de todos, vencendo-se assim a 2ª etapa de nossa luta.

Com o imóvel já desocupado, começou uma nova fase, onde o objetivo principal era a construção da sede, que teve seu início em 21 de agosto de 1971 e a inauguração em 29 de agosto de 1972.

A Casa continuou crescendo, as perspectivas também. A frequência era cada vez maior, assim como os colaboradores. O irmão Jeremias colocou, em uma das reuniões, a necessidade de se criar uma Diretoria a fim de auxiliá-lo na administração da Casa. Foi assim que, em 06 de janeiro de 1871 o irmão convocou todos os trabalhadores e frequentadores para uma Assembléia Geral, na sede provisória, ainda à Rua Uranos, 1563, onde apresentou o Estatuto da Casa para apreciação dos sócios e a composição da 1ª Diretoria da Casa.

Com a aprovação da Assembléia Geral do dia 06 de janeiro de 1971, ficou então assim constituída a primeira diretoria da Casa:

Presidente — Jeremias F. Mano;
Vice-Presidente — Ednir R. da Silva;
1º Secretário — Hélio Pinto S. Ventura;
2º Secretário — Augusto de Jesus Costa;
1º Tesoureiro — Vitor Viriato;
2º Tesoureiro — Carmem F. Mano.